quarta-feira, 13 de maio de 2015

AO, o irrevogável

Ocorre-me a ideia, no dia em que o malfadado e desacreditado acordo entra (entrará?) em vigor, chamar a que se aproxime aquela nossa palavra estragada - o irrevogável -  para que cumpra na plenitude a sua nova função, já que sendo irrevogavelmente irrevogável, irrevogavelmente o AO agora será finalmente revogado. Vá lá pá, é o que a malta quer, o que a malta pede, o que a malta luta, desde que esta aberração nos foi enfiada goela abaixo. É que já chega! Ó irrevogável filho, chega aqui para acabarem de vez com o AO! 
Para começo de conversa, aborreço-me ao ler as notícias matutinas e constatar que a data de hoje já foi revogada. Há destas coisas giras, movimentações palacianas em vésperas de eleições que me fazem sempre relembrar o conceito de sarcasmo, o tal que somos tão bem familiarizados... então a data 'irrevogadamente irrevogada' de 13 de Maio foi chutada para canto, lá para Setembro, o dia do meu aniversário ainda para mais??? Epá, não me lixem o dia...
(podem ler a notícia na integra aqui
Na verdade, eu estou-me positivamente nas tintas se o AO for revogado, agora, amanhã ou depois, só quero que aconteça. Só isso. Limpem a porcaria que fizeram. Não quero mais falar deste assunto, insurgir-me, assinar petições, assinar de cruz o que diz o bzinho João Pedro Graça. Chega de escrever artigos destes e deixar de utilizar esta imagem no final de cada um dos meus posts, só porque sim. É mau? É. Se tem sido terrivelmente mau para os miúdos que desaprenderam e vão ter de ser ensinados a escrever português de novo? Pois. Revoguem a coisa e dêem de vez um passo em frente, sem compadrios e interesses debaixo do pano que todos sabemos que existem. Chega. Como diria o outro em bom português, mandem o AO cagar à horta e limpar o cú às urtigas. 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...